Além de Ver, Sentir, de Vivi Vresk


|   Por Clara Taveira   |

Se tem uma coisa que eu adoro é quando vejo que o autor se dedicou na hora de pesquisar sobre um tema. Nada de brigadeiro em Nova Iorque ou FBI na Suíça, o negócio aqui é, como diria minha avó, mais em riba.

É isso que aconteceu no livro de Vivi Vresk, que comprei próximo ao lançamento em uma promoção gratuita feita pela autora (obrigada pelo presente!). Não somente é nítido que houve uma pesquisa intensa sobre o assunto, como no fim do livro há diversas referências bibliográficas. Só isso já é suficiente para ganhar muitos pontos da resenhista aqui.

Porém, o livro não é incrível somente por isso. Ele tem o que eu chamo de tempero (ou “tompero”, porque eu adoro Masterchef), aquele sabor diferente que te prende à história mesmo que você não tenha se atraído imediatamente pela sinopse.

Falando nela:


Cego de nascença, Gustavo acreditava que o seu maior desafio no curso de mestrado seria a falta de adaptação da universidade à deficiência, mas qual não foi a sua surpresa ao descobrir que contrataram uma auxiliar especialmente para ele? E isso foi só o começo, ele novamente se surpreende ao descobrir que uma colega de sala está interessada por ele.

Independente, autossuficiente e determinado, Gustavo levava uma vida plena até se ver rodeado por essas duas mulheres que bagunçam a sua vida e destroem a sua rotina.

A cegueira não é limitadora, é o que o Gustavo vai ensinar para você. Os sentimentos podem ser, é o que ele vai descobrir. Mas não existe limites para um homem disposto a lutar e uma mulher que quer vencer.

A deficiência e o trauma lado a lado. A vida os uniu, eles aceitaram a missão de transcender.


É isso que é mais bacana no livro. Não somente Gustavo é o oposto do deficiente estereotipado, aquele dependente de tudo, eternamente repleto de pena de si mesmo e saudoso da época pré-deficiência (caso exista uma, o que não é o caso do protagonista desse livro), como sua vida é totalmente normal. Ele é um homem como outro qualquer, com medos, ciúmes, desejos, receios, vontades.

A história começa com ele iniciando seu mestrado e conhecendo duas mulheres que vão mexer com sua cabeça: a gostosona aleatória, que eu tomei birra desde o começo, e a Violet, designada pela universidade para acompanhá-lo quando há necessidade. O que começa como um levíssimo triângulo amoroso (já que demora um pouco até a atração entre Violet e Gustavo ceder), logo se torna um relacionamento delicioso de se ler. Vi e Gu (olha a intimidade!) são fofíssimos juntos, arrisco dizer que perfeitos.

Mas é claro que nem tudo são flores, e um trauma no passado de um deles começa a cutucar seu relacionamento, colocando à prova tudo o que um sente pelo o outro.

Ok, dito isso, vamos aos problemitchos do livro. Já deixo bem claro que são problemas notados POR MIM, não necessariamente todos os leitores podem se incomodar com isso.

Primeiramente, a falta de revisão. Desculpa, eu sei que é chato a revisora ficar apontando para isso, ainda mais em um livro gratuito, mas não tem como. Não tem como MESMO: tem-que-revisar-o-livro-antes-de-mandar-para-a-Amazon. Não tem o que fazer, gente. Procure profissionais que se adequem ao que você deseja, ao que você espera e/ou ao seu orçamento, procure estudantes de Letras, faça parcerias, mas não-publique-o-livro-sem-esse-tratamento.

Além de Ver, Sentir só não é um livro nota mil por causa da falta de um olhar profissional. Faltou esse cuidado e faltou uma boa leitura crítica para retirar frases desnecessárias e momentos aleatórios. O que a autora arrasou na pesquisa, pecou nessa parte, e isso fez com que eu demorasse mais do que o normal para ler o livro.

Ainda assim, isso não tira o brilho da história. Para leitores mais criteriosos, isso pode ser um problema. É um diamante que não chega a ser bruto, mas também não está totalmente lapidado, e nada me daria mais prazer do que ver esse livro com um tema e história tão temperados brilhando em uma aliança de noivado de gente rica, sacaram? Caso seja plano da autora fazer livros físicos, por favor, mande para um profissional que trabalhe seu texto, que você terá uma leitora satisfeita aguardando para ter Gustolet em minha estante!

(Desculpa, eu sou péssima para criar nome de casal, não desistam de mim.)

O segundo problema é a formatação. As notas de rodapé não estão conectadas aos seus números correspondentes, então eu precisei ir ao final do livro várias vezes para olhar do que se tratava. Isso também atrasou minha leitura.

O último problema, ao meu ver, são as referências ao longo do texto. Por exemplo, se aparece o nome de uma música, imediatamente as referências são mostradas entre parênteses, dando um tom acadêmico demais ao livro. Não há necessidade disso em um livro de ficção. A não ser, é claro, que ele tenha sido feito como um trabalho de conclusão de curso. Ainda assim, para a Amazon, era bom retirar.

Depois de apontar os problemas, vou destacar aqui o que foi o ponto alto do livro, além do que eu já disse (história ótima, protagonistas humanos e pesquisa perfeita): é um livro que um cego pode ler. Sabe aqueles programas de leitura automática? Então, em vários momentos do livro, quando há uma imagem servindo de separação entre partes do texto, há a palavra “divisória”, o que eu concluí existir #paracegover! Depois, voltei láááá no comecinho do livro e vi que era verdade, há inclusive um texto detalhando a capa e a imagem da divisória. Mil pontos para a autora, que cuidado e dedicação! Poderia ser melhorado? Sim. Afinal, talvez os programas de leitura possam se confundir com os erros já citados.

Enfatizando que esses deslizes gramaticais e ortográficos não são monstruosos. São incômodos e é necessário que o livro seja editado por profissionais, a história merece esse tratamento. Porém, nem todo mundo vai se incomodar tanto quanto eu, que trabalho na área.

Concluindo, AdVS é um livro incrível, com um potencial gigante para se tornar o livro do coração de muitas pessoas. Só precisa dar uma polida, para brilhar mais ainda.

Recomendadíssimo!




Gostou da resenha e quer ler essa belezura de livro? Comprando por aqui, você dá uma forcinha para o CJL e não paga nada a mais por isso! :D

Um comentário:

  1. Ahh!!! Que resenha linda! <3 <3
    Muito obrigada por cada uma das suas palavras, o seu trabalho foi uns dos primeiros que conheci ao entrar no wattpad e logo de cara nasceu minha admiração, ler uma resenha dessa vindo de você é algo que nunca imaginei que aconteceria, estou surtando aqui? Não imagina!!!!
    Realmente, tenho ciência desses problemas que relatou, e já esperava que fosse falar deles, é algo que quero resolver ainda este ano, só que não consegui alguém que trate o livro com o carinho que eu espero e que eu possa pagar, mas planejo usar o dinheiro da venda dele pra resolver isso o quanto antes. No futuro eu espero poder tornar ele físico, mas depois de uma revisão profissional, tem que ficar perfeito! kkk
    Mais uma vez muito obrigada, Clara. Amei!!!! <3 <3 <3

    ResponderExcluir