O Dia em que Conheci Meu Pai Pela Segunda Vez, de Tamires de Carvalho


| Por Clara Taveira |

Olha… vou te falar um negócio…

Sabe aquele livro que você lê e pensa “senti o impacto”?

O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez é desses.

Primeiro por ser um livro de contos com mesmo protagonista, mas feito de um jeito bem amarradinho.

Segundo por ser um livro sobre um policial. Mas não um livro em que esse policial mata toda a máfia brasileira com uma mão enquanto a outra estimula sexualmente a mocinha virgem e pura. Não, nada de clichês fetichizando farda: aqui, o policial é humano, é de carne e osso.

Terceiro por mostrar um lado de um policial que pouca gente costuma ver: o de homem com medo, com alegrias, com sangue correndo nas veias. Um homem, não uma máquina de matar fardada.

ODEQCMPPSV (vou usar sigla, já que o nome é grandão, ok?) tem uma linguagem simples e direta, que te faz ler as poucas páginas dos contos em uma sentada. Em alguns momentos, a gente ri com Carvalho. Em outros, a gente sente vontade de chorar. Em mais uns tantos, a gente faz cara feia e pensa “nossa, que crueldade!”, seja lá quem for o autor de tais ações. No final, a gente pensa “caramba, valeu cada centavo investido”.

É um livro curto, são mais ou menos oitenta páginas, mas isso não tira o sabor da leitura de modo algum. Pelo contrário, a história do Carvalho é contada do momento em que ele entra para a polícia até o momento em que ele aposenta, e dar conta disso tudo em poucas páginas sem que a narrativa fique apressada não é para qualquer um. Tamires de Carvalho consegue fazer isso perfeitamente.

Opa!

Notou uma coisinha? “Tamires de Carvalho”? Sim, a história é real, do pai da autora. Mas quando eu li o livro, nem me liguei nisso, nem tive a sensação esquisita que sinto de vez em quando ao ler livros com histórias reais. Uma sensação de “tá, mas isso é bacana porque você soube contar ou é bacana porque aconteceu de verdade?”. Não tive essa vibe, apenas a do “estou lendo um ótimo livro”!

Por último, dou os parabéns por duas coisas: a belíssima capa e o título. Achei ambos brilhantes e muito bem escolhidos e me surpreendi que uma pessoa tenha avaliado na Amazon dizendo que o nome "ODEQCMPPSV" diz respeito a somente um conto, portanto foi um erro da autora. Oi? Vamos ser sinceros numa coisa? Desde quando antologia de contos não pode ter o título de um dos contos? Veríssimo fez isso um milhão de vezes, não fez? Além disso, o título do livro é perfeito, tem tudo a ver com a história de vida da autora e de seu pai. Acho que esse leitor não leu direito o livro...

ODEQCMPPSV é uma leitura rápida, envolvente e extremamente recomendada. Mais uma vez: parabéns para a autora. 





Gostou da resenha e quer ler o livro? Comprando por aqui, você ajuda o CJL a se manter e não paga nada por isso.

Um comentário:

  1. Desmaiada com essa resenha! <3
    Muito obrigada pelo carinho e também pelo apoio que vocês me deram com essa publicação. <3

    ResponderExcluir