Elle – Música, Amor e Amizade, de Aretha V. Guedes


|  Por Clara Taveira  |

Não vou mentir: sou fã da série Jack Rock, de Aretha V. Guedes desde o lançamento do primeiro livro, Elle – Música, Amor e Amizade, no Wattpad. Não sei como eu fui parar no perfil da autora, nem como descobri o livro, mas achei o acaso fofo: sua protagonista tinha o mesmo nome da minha, Helena, só que com outro apelido. Comecei a ler e me encantei imediatamente. Foi tipo amor literário de cara!

Eis que descobri que a autora não só tinha talento, como simpatia: respondia todos os comentários na plataforma, era educada e carismática. Fiquei de cara com aquilo, pois conheço tanta gente com rei literário na barriga, que ver um cadinho de humildade até deixa a gente boba, né?

Fui entrando cada vez mais no mundo da Jack Rock e me apaixonando por cada um dos personagens: Chris, o melhor amigo de Elle, que foge de casa ainda adolescente por causa da repressão absurda que seu pai ultraconservador exercia nele e em sua paixão, a música, e consegue, depois de muita luta, fazer sucesso com sua banda, a Jack Rock; John, o vocalista da banda, gostoso, quero dizer, muito talentoso; Kim, a baterista ruiva cheia de energia; Aly, o baixista pegador… e Gabriel.

Ah, gente, eu nem quero soar muito fanboy (ou fangirl, no meu caso, né?), mas se tem um personagem na série inteira que eu adoro, esse personagem é o segurança do vocalista da banda. Não vou entrar muito no papel dele na história, já que… Bom… O livro não se chama “Gabriel”, se chama “Elle”, e os protagonistas são Elle, John e Chris, não Gabriel (apesar de que ele ganha um conto só dele mais pra frente, um dia eu falo disso aqui, prometo). Que pena, porque Gabriel é tão… *suspiro*.


Ok, Clara, foco. Vamos voltar para a história!

Como eu disse antes de pirar com a imagem de Gabriel, a Jack Rock é uma banda de rock muito famosa e com talento de sobra. Elle costumava acompanhar a banda de seu amigo de longe, até que ela e sua família sofrem um terrível acidente de carro que deixa a jovem em coma e acaba tirando a vida de seus pais. Quando acorda, ela se encontra sozinha no mundo, sem mais ninguém, a não ser somente ela.

Mas eis que Chris, assim que descobre o que aconteceu com sua amiga de infância, larga um pouco a vida de sacanagens roqueirudas e vai resgatar Elle. Oferece apoio, chama a guria para morar com ele, oferece dinheiro, e Elle… recusa. Oi?? É, gente, Elle é durona. Tá toda atolada de dívidas que os pais deixaram, sozinha, deprê e ainda se perguntando se pirou, já que jura de pés juntos que, no momento do acidente, viu sombras andando pelo carro capotado. Mas pensa que essa desgraceira toda faz com que ela abaixe a cabeça e deixe Chris virar o macho provedor? Nananina-não! Elle é uma das personagens mais fortes, guerreiras e decididas que eu já conheci no mundo literário. E eu acho isso INCRÍVEL. Nada de moçoilas de romance da Jane Austen, Elle não tem papas na língua, não tem medo de pegar no batente e trabalhar, mesmo que seu coração ainda sangre pela morte de toda sua família.

O ponto tchutchuco do livro, ou seja, o momento delícia cremosa, acontece quando percebemos a tensão sexual que quase pulsa na sua cara entre a Elle e o vocalista da banda, John, um homem gostoso, ops, talentoso, que tem lindos olhos claros, frios como uma pedra de gelo. Desde o começo, achei John enigmático, misterioso, e adorei isso. Adoro quando um possível casal troca farpas, e isso acontece bastante quando John contrata Elle como assistente pessoal, ainda que contra a vontade de Chris, que está muito protetor com a amiga.

Ah, falando no Chris, algumas pessoas até podem pensar que existe um triângulo amoroso entre ele, a Helena e o John, mas podem tirar o cavalinho da chuva. Ou deixem lá, né? Tanta pedra para rolar ainda na trilogia… *momento de falso suspense*

O primeiro volume é um dos melhores livros que eu li no Wattpad, só perde para o livro dois, que é o melhor (e eu enfatizo: O MELHOR!!) da série Jack Rock. Ok, eu também gosto muito do livro três, até porque a Lena, minha personagem, aparece nele. Ah, gente, a trilogia inteira é ótima!

Por enquanto apenas o livro um está em versão física, mas os outros estão disponíveis na Amazon, inclusive o box com vários contos da Jack Rock, incluindo o do maravilhoso Gabriel. Estão todos disponíveis no Kindle Unlimited também, caso você seja assinante.

Sobre o primeiro livro da trilogia, eu te digo com sinceridade: a edição física de Elle está LINDA! A capa ficou um arraso, a edição tá muito bem acabadinha, tá um chuchu. Amei.

Elle – Música, Amor e Amizade é um romance incrível, delicioso, envolvente do começo ao fim. Some uma excelente história a uma capa atraente, uma edição deliciosa e um preço melhor ainda (vinte e tantos reais com frete grátis?? Adoro!). Recomendo, e recomendo MUITO!

Para comprar seu livro, entre em contato com a autora por aqui, ó: Facebook.

4 comentários:

  1. Eu já li essa estória Amor de Valentina e ameiiiii

    ResponderExcluir
  2. Amo essa resenha! Ah, como é bom relembrar o início de tudo e a Sissy Walker... Rs
    Também amo o livro 2, o final dele foi uma das primeiras coisas que pensei para a série. Obrigada, Clarita!

    ResponderExcluir
  3. AMO de paixão a série Jack Rock!! E real, todos os livros e contos são maravilhosos, mas o livro dois... Sem palavras!
    Arrasou na resenha, Clara! <3

    ResponderExcluir