O Próximo Homem da Minha Mulher Sou Eu, de Camila Marciano


|  Por Dira Arrais  |

Não vai ter sinopse nessa resenha, você pode conferi-la aqui. O que você vai encontrar nas seguintes linhas é a minha humilde opinião sobre a obra mais conhecida pelos leitores da Camila Marciano como OPHDMMSE. Aí você pode perguntar: quem é você na fila do pão pra achar que a sua opinião deve ser levada em conta, dona Dira? 

Respondo: uma mistura de ninguém com uma leitora crítica pra cacete, e aspirante a escritora, que no fim das contas, não quer que você, leitor de resenhas, concorde comigo, só quer te convencer a ler esse livro, porque ele super vale a pena.

Quando comecei a pensar no que dizer sobre OPHDMMSE, fiquei tentando lembrar como cheguei no Livro 1 dos Ferreira. Confesso que demorei um tempo pra recordar. Não foi indicação, porque fui eu quem apresentou pras minhas coleguinhas leitoras. E pra minha irmã. E pra uma amiga. E pro boy. Também não foi propaganda nas comunidades do Facebook. Então forcei a cuca e lembrei. 

Foi na época que eu não encontrava NADA interessante no Wattpad. Andava super desiludida com a plataforma, não achava nenhum livro de conteúdo adulto (porém NÃO erótico), não achava nada com protagonistas adultos (sorry, não sou a maior fã de ficção adolescente) e, principalmente, NADA, ABSOLUTAMENTE NADA parecido com a vida real. 

Desculpa aê quem é chegado nas “Ficção científica e essa parada toda”, mas euzinha aqui que vos escrevo gosto mesmo é de “Comédia da vida privada”, histórias realistas, que podem acontecer com deus, o mundo e a família do Raimundo.

E nessa procura, já com vontade de desistir do aplicativo, encontrei a Marciano (é assim que me refiro a você, Camila, Taveirão me entende =D). Encontrei “O Próximo Homem da Minha Mulher Sou Eu”, o Rodrigo (Dio), a Fernanda (Fê para o resto do mundo, Nina para os íntimos) e todas as outras personagens que acompanham esses dois.

Não esperem resumos, porque sou ruim com isso e tenho medo de entregar questões cruciais e atrapalhar a sua leitura, ou o seu encantamento, leitor.

Falando nisso, repara bem, Leitor. Palavra essa que se repete algumas vezes na narrativa, o que passa a impressão que o Dio, principal narrador, está conversando diretamente contigo, o que é muito gostoso (embora, às vezes, eu tivesse a impressão de que ali era a autora, e não o personagem). 

Então o “Próximo Homem da Minha Mulher Sou Eu” é sobre um casal em crise?
Sim. E também sobre como aconteceu a tentativa de salvar essa relação. Mas não apenas sobre isso.

O livro é sobre família?
Sim. Famílias tradicionais, modernas, homoafetivas, famílias da capital e do interior. Mas não apenas sobre isso.

O livro é sobre o Rodrigo? 
É. O livro é muuuuito sobre o Rodrigo. Sobre o Dio e os milhares de Rodrigos espalhados por aí, caras normais, que fazem merda, mas que são homens o suficiente para se esforçar e mudar a situação. Mas não apenas sobre isso.

O livro é sobre relacionamentos, da forma mais real, do dia a dia cru, café, almoço e janta, roupa velha e furada, menino doente, cansaço e falta de glamour. Vida real, sincera e honesta. O livro é sobre papéis num relacionamento, maternidade, paternidade, mágoa, empoderamento, doença, morte, luto, dor, felicidade. O livro é sobre tudo isso, mas, para mim, acima de tuuuudo que já falei, o livro é sobre a Fernanda.

Uma mulher tão forte, que é capaz de se quebrar inteira e se reconstruir. Uma mulher arisca e doce. Sofrida e alegre. Exibida e insegura. Inteligente e receosa (às vezes). Uma mulher de mil facetas, e eu me apaixonei por todas elas. 

Certa vez, conversei com a Taveirão sobre OPHDMMSE. A gente se perguntava por que raios uma editora grande não publicou ainda a Marciano. O livro não é impecável aos olhos de quem leu três vezes. Tem umas coisinhas de nada, que um leitor desatento faminto nem percebe, e nas mãos de uma boa editora, meu amigo, esse livro ia causar e viraria best seller num piscar de olhos. 

Minha pergunta sobre a publicação por editora continua sem reposta. Ou a resposta é a burrice deles de continuar de costas viradas pra literatura nacional. Mas, enfim, hoje, acho que a autora fez a melhor escolha possível, publicou de forma independente. Deu uma de Fernanda e “pariu” seu menino do jeito que quis, e agora pode receber sozinha todos os louros que merece e, como a Nina, ser a dona da porra toda.


"O Próximo Homem da Minha Mulher Sou Eu" está disponível na Amazon somente, pois a primeira tiragem dele esgotou! Para entrar em contato com a autora, visite Aquela Velha.


Resenha criada por Dira Arrais, colaboradora do Capitu Já Leu, autora (clique aqui para conhecer suas obras) e pessoa maravilhosa.

2 comentários:

  1. Eu só digo que estou amando cada segundo desse livro.

    ResponderExcluir
  2. Uma resenha dessas, Bicho. Um mulherão desses bicho. Leu três vezes? No duro??? Ah, mas vai se ferrar, que coisa linda. Obrigada!!!!!!

    ResponderExcluir